No Brasil impera um grande abismo entre as informações de boas práticas para manejo do pastejo que levam ao grande potencial produtivo (produzir acima de 20 arrobas/ha/ano) e a realidade de campo com pastagens degradadas, baixa taxa de lotação e ganho de peso insatisfatório, resultando em produtividade média abaixo de 3,5 @/ha/ano em termos de país.

No entendimento da Gerente de Pasto este abismo ocorre devido à dois grandes motivos: Falta de conhecimento correto, prático e aplicável lá no campo e falta de um método que possibilite a execução das boas práticas na fazenda toda, todo mês. 

Para exemplificar o primeiro problema segue 5 exemplos que atrapalham a aplicação de um correto manejo do pastejo. Conheça 5 mitos do manejo de pastagem:

I - Pasto baixo pragueja. Mito: Pasto baixo não pragueja, pasto batido sim. Essa é uma correta observação com uma infeliz conclusão, pois há espécies forrageiras que demandam pastejo a uma altura menor para serem bem manejadas (20-25 cm para iniciar pastejo).

II - Boi não pode sentir frio na canela. Mito: Boi pode e deve sentir frio na canela se a espécie forrageira na qual ele está pastejando demanda manejo mais baixo.

III - Pasto alto é bom. Mito: Pasto alto, passado, é ruim para planta e para o animal. Para a planta, com o autossombreamento das folhas a prioridade deixa de ser produzir folhas e passa ser colocar folhas em plena luz, ou seja, a energia da planta está sendo desviada para produção de talo e não de folha, além de reduzir drasticamente o perfilhamento (renovação do capim) resultando em perda de densidade do pasto com médio e longo prazo.

Para o animal é ruim pois será ofertado para ele muito mais talo e material seco, dificultando a apreensão da forragem reduzindo o consumo diário de capim e forçando o animal a andar mais durante o dia. O que acontece com quem anda mais e come menos? Isso mesmo, engorda menos.

IV - Lote grande não ganha peso. Mito: Lote grande não ganha peso se tiver trabalhando fora da capacidade de suporte do pasto, se a água e/ou os cochos de sal não forem suficientes e se demorar para levar o lote para outra área de pastagem.

V - Pastejo em rotacionado o ganho de peso é menor. Mito: O desempenho em rotacionado tem os mesmos vilões do item IV, com destaque para o momento de girar o lote. Demoras de um 1 dia (até menos dependendo da situação) comprometem o resultado final.